Maria Ignez Novais Ayala

Versos de moçambique e de banda (f.001, l. A ) [0:01 a 3:53] [cad_div-01]

Aprendi com José Lopes de Campos, contramestre do Mestre Conrado do “Batalhão de Moçambique Nossa Senhora do Rosário e São Benedito” que os versos cantados durante a dança se chamam ramos.

Como saber quais ramos foram trazidos pela tradição a que pertence cada mestre ou contramestre e que integram o texto mental que cada indivíduo traz em si? Um dos modos de observar foi o esforço para identificar quemo que canta, quando canta e se há alguma coreografia relacionada com o canto e os gestos. Com o tempo, essas questões foram se delineando em anotações, registros da performance, conversas e entrevistas com participantes.

Os apontamentos de campo de 1972, transpostos da caderneta para o primeiro relato de pesquisa, já evidenciam, embrionariamente, o que iria se observar nos anos seguintes, a este respeito. Passemos aos repertórios selecionados:

A bandeira branca saiu na rua [cad_div-01]

A bandeira branca saiu na rua

A bandeira branca saiu na rua

A bandeira de Nossa Senhora

oi chama S. Benedito

pra tirá a bandeira fora

Eh São Benedito

Viva a Virgem Maria!

(Batalhão de Moçambique do Itapeti – mestre Benedito Valentim de Godoi Pinheiro, o Seu Dito Pinheiro)

 

Toque da Banda de Música (acompanhada de latidos de cachorro ao final)

  • Outros ramos de Moçambique

1) Nóis vamo a precura  – 1972 (f.001, l. A ) [5:07 – 7:25] [cad_div-02]

Nóis vamo a precura

Precurando inté achá

ai você baila você canta

que é pra nóis adorá

Eh S. Benedito!

Sarve a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário.

Ehhh…

Nota: Esta saudação é feita a cada mudança de “ramo”

2) Licença dono da festa   – 1972 (f.001, l. A ) [7:35-8:15] [cad_div-03]

 

Licença dono da festa

prá chegá nossa bandeira

Eu peço a menor licença

pra ganhá a licença inteira

Eh estrela!

Eh a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário!

3) Divino Espírito Santo – 1972 (f.001, l. A ) [8:35-10:57] [cad_div-04]

Divino Espírito Santo

abre as asas pra voar

hoje chegou seu dia

que nóis vamo festejá

Eh sarve S. Benedito!

eh sarve a Virgem Maria!

4) Andorinha voou foi se embora – 1972 (f.001, l. A ) [11:00-12:07] [cad_div-05]

Andorinha voou foi se embora

passarinho santo de Nossa Senhora.

Eh S. Benedito!

Eh Nossa Senhora!

Oi estrela!

Eh a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário!

5) Andorinha voou foi em Belém – 1972 (f.001, l. A ) [12:08-14:12] [cad_div-06]

Andorinha voou foi em Belém

Nossa Senhora que mandou vê

Eh os anjooo

Sarve a Virge Maria

Nossa Senhora do Rosário!

Nota: até aqui, versos do Batalhão de Moçambique do Itapeti

 

6) Sarve  sarve sarve o santo – 1972 (f.001, l. A ) [14:18-17:36] [cad_div-07]

(Batalhão Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, do Mestre Conrado)

Ô sarve sarve sarve o santo

sarve o divino  Espírito Santo

 

Eh S. Benedito!

Eh Virgem Maria!

Eh ah eh S. Benedito!

Nota: Atenção aos sons (bumbo, parnanguame, guizos e bastões)

7) Eu subi co’a coroa – 1972 (f.001, l. A ) [17:50-19:00] [cad_div-08]

Eu subi lá no céu

no repique do sino

eu subi co’a coroa

eu desci co’o Divino

Ehh…

Nota: Este ramo aparece novamente  diante

8) Oh divino pai oh divino mestre – 1972 (f.001, l. A ) [23:00-26:09] [cad_div-09]

Oh divino pai oh divino mestre

no nosso batismo o Divino aparece

 

Eeh São Benedito!

Eh Virge Maria!

Eh S. Benedito!

Ah eh!!!

9) Passarinho santo que Deus deixou – 1972 (f.001, l. A ) [26:10-28:10] [cad_div-10]

 

Passarinho santo que Deus deixou

ai o divino Espírito Santo

Ehhh…

 

10) São Benedito é o nosso santo padroeiro – 1972 (f.001, l. A ) [28:11-30:27] [cad_div-11]

O São Benedito

é o nosso santo padroeiro

É da religião católica

e do folcloro brasileiro

Ehh…

11) Oi Moçambique – 1972 (f.001, l. A ) [30:28-32:32] [cad_div-12]

Danço o moçambique

desde o tempo de criança

tenho fé em S. Benedito

tenho fé, tenho esperança

Ehh…

12) A riqueza nunca usa soberbia – 1972 (f.001, l. A ) [32:33-35:20] [cad_div-13]

A riqueza nunca usa soberbia

A riqueza vem do céu

Do rosário de Maria

ou

A riqueza já não usa soberbia

A riqueza vem do céu

Do rosário de Maria

Ehh…

 

  • sobre promessa e carros de bois

No relato de pesquisa fiz anotações com base em conversa com uma devota que estava com sua bandeira; vejamos:

 

Sobre a Bandeira do Divino

Informante: Da Ana Ferreira de Toledo

A pessoa faz a promessa e sai [com a bandeira]. Saiu no ano passado pela primeira vez para pagar uma promessa: sua filha estava doente. A filha saiu a primeira vez e ela, a mãe, continua saindo. Segundo a informante a festa começou no dia 20 de abril. Segundo ela tem 12 carros de boi na Entrada dos Palmitos. Os carros saem da Praça das Bandeiras, mas este ano por estar em obras o local, a saída é no Tiro de Guerra. Os bois têm os chifres enfeitados com flores de papel crepom: vermelhas, rosas, azuis, amarelas. A canga também é enfeitada de flores. Crianças saem nos carros de bois enfeitados com cipreste e flores de papel crepom.

Entrada dos Palmitos:

Conforme Molina e Kato (1973),

O cortejo obedece a seguinte ordem:

Cavaleiros do Divino, Moçambique, congada, carros de bois, bandeiras e violeiros (como chamam os foliões), banda e povo.

Em minhas anotações de 1972, consta:

1º – Cavaleiros do Divino

2º – Carros de bois carregados de palmitos (palmeiras) e crianças. Os carros são enfeitados com arcos de cipreste e flores de papel. Bois: flores nos chifres e na cangalha.

3º – Moçambiqueiros. Dois batalhões: Batalhão N. S. do Rosário e São Benedito (Mestre Conrado Alves de Souza) e Batalhão do Itapeti (Mestre Benedito Valentim Pinheiro).

4º – Bandeiras do Divino

Embora não tenha anotado, estava presente a congada de Mestre Domingos Ricardo, a banda de música, seguida pelo povo em geral.

Reproduzo um trecho da conversa com Dona Ana Ferreira de Toledo:

Quantos carros de boi tem? – 1972 (f.001 l.B) [01:20 – 02:33] [cad_div-14]

  • sons de instrumentos e guizos de moçambique [19:00 – 19:47] [cad_div-15]
  • novos ramos:

1) Nossa bandeira é com fita azul – 1972 (f.001 l.B) [22:00-23:50] [cad_div-16]

Nossa bandeira é com fita azul

De Nossa Senhora de Tambaú

Nossa bandeira é de fita azul

Nossa Senhora de Tambaú

 

Ehh…

2) Ai moçambique  – 1972 (f.001 l.B) [23:50-27:00] [cad_div-17]

Ai moçambique

foi dois anjo que inventou

dança preto dança branco

dança Deus nosso senhor

3) Eu subi lá no céu – 1972 (f.001 l.B) [27:00- 28:06] [cad_div-18]

Eu subi lá no céu

No repique do sino

Eu subi co’a coroa

Desci co’ o Divino

4) Cuitelinho verde – 1972 (f.001 l.B) [35:00-35:36] [cad_div-19]

Nota: Versos ditos pelo contramestre Zé Lopes em conversa, onde manifesto minha ignorância total: não entendo o que ele fala nem o que é cuitelinho (=beija-flor)

5) O sór nascê – 1974 (f. 007 – l. A) [a partir de 29:15]  [cad_div-20]

O sór nascê eu vi nascê

pula  castigo que eu quero vê

6) Ô vamos passar brilhante [cad_div-21]

Ô vamos passar brilhante

nós vamos passar brilhante meus irmão

Nota: brilhante é o nome atribuído aos bastões. Há nos versos que ganham uma coreografia própria: os dançadores dançam sobre os “brilhantes” enfileirados no chão sem tocar neles. Neste caso chamam-se “castigos”, como cantado acima e os mestres ficavam furiosos quando os dançadores embriagados, ao pularem os bastões, espalhavam tudo…

7) Estrelinha que vem – 1974 (f. 007 – l. B) [0:19 -040] [cad_div-22]

Estrelinha que vem

Estrelinha que vai

Com São Benedito

Nós vamos em paz

Nota: Muitas vezes este ramo é cantado antes de intervalos para descanso, de conclusão de apresentações durante a festa.

8) Ô Mariaa – 1974 (f. 007 – l. A) [30:25- 31:05 ] fragmento [cad_div-23]

Em nome do pai e do filho

Ô Mariaa

E do Espírito Santo Amém

Ô Mariaa

O pai nosso que estais no céu

Ô Mariaa

Santificado seja o vosso nome

Ô Mariaa

Venha nós o vosso reino

Ô Mariaa

Seja feita a vossa vontade

Ô Mariaa

Assim na terra como no céu

Ô Mariaa

O pão nosso de cada dia

Ô Mariaa

nos dai hoje e perdoai

Ô Mariaa

nossas dívidas de todo […]

Nota: Há outro registro, Ô Mariaa – 1977 (F.099 – l. A) [8:00 – 12:14], em que se gravou toda a reza cantada, mas a qualidade do registro foi prejudicada por interferências sonoras no contexto. Os versos seguintes aos que faltam acima concluem o Padre Nosso, adaptado em louvor a Maria e terminam com versos de agradecimentos a todo do grupo e aos responsáveis pela festa.  Tanto as orações adaptadas à maneira dos responsos , quanto ao improviso final, demonstrando sua gratidão aos componentes do grupo revelam a cordialidade característica da cultura caipira.

[Selecionar ainda um trecho do “obrigado pela atenção” em que agradece a presença do tocador de parnanguame e outros.]
  • Sons e versos cantados das Congadas

Congada Mogiana Brasileira de migrantes, relacionada a Terno de Congo de Minas de São Gonçalo de Sapucaí, MG

Ô Virgem Maria – 1972 (f.002 l.A) [11:30-15:10] [cad_div-24]

Ô Virgem Maria

Ô Virgem Senhora

Visitai os anjos

No reino da glória

Visitai os anjos

No reino da glória

 

Nossa Senhora das Dores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

 

Ô Virgem Maria…

Ô Virgem Maria…

Ô Virgem Maria…

Ô Virgem Maria

Tem a graça e tem a luz

O rosário de Maria

O mistério de Jesus

Virgem Maria!

 

Ô Virgem Maria…

Ô Virgem Senhora

Nossa Senhora das Dores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

Ô Virgem Maria…

Dançava os preto velho

desde o tempo do cativeiro

laçado pelo pé

São Benedito foi cozinheiro

Eh São Benedito!

 

Uma das integrantes dá informações e diz ”Esta festa esteve boa, esteve de deixar saudade!”

Nota: Naquela época, estava iniciando minhas leituras de João Guimarães Rosa, onde encontrei um eco desta frase na Festa de Manuelzão.

Deus vos salve casa santa– 1972 (f.002 l.A) [23:10-28:50] [cad_div-25]

Deus vos salve casa santa

onde Deus fez a morada

Deus vos salve a casa santa

onde Deus fez a morada

onde mora o calix bento

e a hóstia consagrada

onde mora o calix bento

e a hóstia consagrada

Nota: enquanto gravava, fiz algumas observações sobre a dança em volta do Mastro.

Ai Divino – 1972 (f.002 l.A) [30:20-34:00] [cad_div-26]

Ai Divino

Divino da Eucaristia

Ai Divino

Divino da Eucaristia

São Pedro será meu mestre

e o Divino será minha guia

São Pedro será meu mestre

e o Divino será minha guia

– Congo de São Gonçalo de Sapucaí, Minas Gerais – 1974 (f. 005, l. A) [até 6:23] [cad_div-27]

Ô sabiá

Ô sabiá

tu é mais feliz que eu

Ô sabiá

invejo o destino seu

Ô sabiá

porque canta triste assim

Ô sabiá

deixa a tristeza pra mim

 

Quando eu vejo um sabiá

numa gaiola cantando

eu começo a relembrar

o tempo que eu vivi amando

aquela ingrata Maria

que roubou minha alegria

eu também vivia cantando

pois isso era o que eu queria

Salve a rainha e o rei [cad_div-28]

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

O mistério de São Benedito

eu não deixo assim à toa

O mistério de São Benedito

eu não deixo assim à toa

 

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Mas o meu coraçãozinho

Eu não entrego assim à toa

Mas o meu coraçãozinho

Eu não entrego assim à toa

– Congada de S. Benedito e Divino, de Mestre Domingos Ricardo:

Nossa Senhora vem num barco – 1974 (f. 005, l. A) [6:23 – 9:02] [cad_div-29]

Nossa Senhora vem num barco

São José que tá remando

Nossa Senhora vem num barco

São José que tá remando

Levanta a bandeira de paz

São Benedito está mandando

Levanta a bandeira de paz

São Benedito está mandando

Ô linda baiana – 1974 (f. 005, l. A) [9:03 – 13:21] [cad_div-30]

− Ô linda baiana

− O que é meu bem   Bis

− Como vai a nossa festa

− Ai vai indo muito bem

 

− Oi linda baiana, oi linda meu bem

− Samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

Samba baiana

 

− Oi linda baiana

– O que é meu bem

− Como vai o nosso prefeito

− Ai vai indo muito bem

− Oi linda baiana

− O que é meu bem

− Como vai o nosso festeiro

− Ai vai indo muito bem

 

− Oi linda baiana, oi linda meu bem

− Samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

− Samba baiana

 

− Oi linda baiana

− O que é meu bem                                                   Bis

− Como vai as nossas crianças

− Ai vai indo muito bem                                            Bis

 

− Oi linda baiana, oi linda meu bem

− Samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

Samba baiana

Avistei a cidade do Rio – 1974 (f. 005, l. A) [13:50 – 15:36] [cad_div-31]

Avistei a cidade do Rio

Avistei a cidade do Rio

Saio da barca e entrei no navio

Avistei a cidade do Rio

Saio da barca e entrei no navio

Ai vem navio – 1974 (f. 005, l. A) [15:37 – 19:30] [cad_div-32]

Ai vem navio/ ele vem serenando

aqui noutra canoa/ eu estou remando

cortando água/ cortando água

Olha lá que ele vem/ ele vem serenando

cortando água/ cortando água

Olha lá que ele vem/ ele vem serenando

Nota: Esta é apenas a parte inicial da transcrição deste poema narrativo cantado.

Ô Laura – 1974 (f. 005, l. A) [19:31 – [cad_div-33]

Há muito tempo

que eu não vejo a minha Laura

meu Deus do céu

ela veio me avisar

cuidado com essa mulher

que ela vai lhe abandonar

daqui há pouco eu não posso acreditar

Ô Laura!

 

Ô Laura ô Laura ô Laura

Ô Laura ô Laura ô Laura

Ô Laura

Volte pra casa pro meu coração sossegar

Volte pra casa pro meu coração sossegar

Nota: Transcrição apenas o início.

Chorei chorei  [cad_div-34]

Chorei chorei

Mais do que eu             Bis

Mais ninguém chorou

 

Nossa Senhora do Rosário

São Benedito               Bis

É meu protetor

Andorinha dourada  [cad_div-35]

Andorinha dourada / andorinha dourada

Andorinha dourada / andorinha dourada

Bate as asinha andorinha/ é de madrugada

Bate as asinha andorinha/ é de madrugada

Viva meu S. Benedito [cad_div-36]

Viva meu S. Benedito

Viva nessa hora

Viva meu S. Benedito

Ele é o rei da glória

− Congada N. S. do Rosário e São Benedito, de Mestre Alcides Pereira de Castro

Oi o meu coração tá doeno  – 1975 (f.045 – l. A) [0:00-2:22] [cad_div-37]

Oi o meu coração tá doeno

Tá doeno deixa doer

Oi o meu coração tá doeno

Tá doeno deixa doer

 

Tá doeno deixa doer                     Bis

tá doeno tá doeno

deixa doer

Oi o meu coração…

Meio dia tem moçambique – 1975 (f.045 – l. A) [2:22 -2:50] [cad_div-38]

Meio dia tem moçambique

duas horas tem cavaiada

cinco horas tem procissão

as seis vai ter missa cantada

Ó a poeira aí – 1975 (f.046 – l. A) [18:27 – 22:58] [cad_div-39]

Ó a poeira aí, morena

pisa devagar

Tem poeira aí, morena

pisa devagar

Que o meu sapato é branco

eu não quero escorregar

Nota: Esta canção tem um ritmo e melodia parecidos com o do samba-lenço de Mauá; há uma voz feminina parecida com a da Dona Chiquinha, da Vila das Palmeiras. No final, som de carro de boi.

Agradecendo o almoço

[…]

To fazendo a despedida

com a dança do coração

quem tem lenço na campana (?)

quero ver agora na mão

A dança da despedida

é  dança do coração

A dança da despedida

é  dança do coração

Quem me ensinou a nadar – 1976 (f.045 – l. B) [6:15 – 8:35] [cad_div-40]

Quem me ensinou a nadar

ora foi os peixinho do mar                 Bis

foi foi foi foi marinheiro

foi os peixinho do mar                  Bis

Cai sereno cai devagarzinho – 1976 (f.045 – l. B) [10:45 – 12:30] [cad_div-41]

Cai sereno cai devagarzinho

Cai sereno cai devagarzinho

Cai sereno pra molhar o meu caminho

Cai sereno pra molhar o meu caminho

− Moçambique São Benedito, de Biritiba Ussu – Mestre Joaquim Firmino Fernandes

Glória a Deus que lhe ajude  – 1976 (f.049 – l. A) [0:00- 3:57] [cad_div-42]

Glória a Deus que lhe ajude

o festeiro

Quando o galo canta – 1976 (f.049 – l. A) [15:29 – 18:41] [cad_div-43]

Quando o galo canta

é de madrugada

saia na janela

sai nossa congada

Nota: continua com o som dos tambores em evolução e emenda com outro som de tambores.

Explicação de Seu Conrado sobre o moçambique  – 1976 (f.049 – l. A) [13:00 – 14:20] [cad_div-44]

dança africana

− Moçambique de Crianças, bairro de Paraitinguinha, Salesópolis, de Mestre Tarcísio Olympio – 1976 (f.049 – l. B) [15:32 – 17:18] [cad_div-45]

Piripiripiri

eu vi o canário cantá

ah eheheh ah

da licença pra nóis pelejá

– Congada Nossa Senhora do Rosário, dos Mestres Dico, José Isidoro e Nego, de Brás Cubas [cad_div-46]

Ô Virge Maria (f.099 – l.B) [11:16 –

 

Ô Virgee Maria

Rainha do Rosário

ela é a nossa guia

– 1978 (f.102 – l. A [0:00 – 6:00] [cad_div-47]

fim de canto de moçambique; o som de guizos emenda com o som da marujada

Abre a porta do céu

São Miguel

Venha arreceber

Traz a balança

E pesa essas alma

Quem for pecador

Vai aparecer

[13:00 –] [cad_div-48] parte declamada – segue outro ritmo

 

O rosário é meu [15:00 -][ cad_div-49]

O rosário é meu

O rosário é meu

Foi pai de santo

Quem me deu

Nota: som dos tambores por volta do 20:00 e continuando até Rainha fulô

Rainha fulô [cad_div-50]

Rainha fulô

Rainha fulô

Rainha fulô

Rainha fulô

Salve rainha de nosso Sinhô

  • Foliões do Divino

Foliões do Divino cantam no Império do Divino – 1975 (f.045 – l. A) [26:50 – 28:40] [cad_div-51]

Que encontro tão bonito

nós tivemo nessa hora…

O grupo conhecido como foliões do Divino tinha à frente o Mestre João Manoel do Nascimento, acompanhado por Ulisses de Souza Moraes, ambos tocando violas, João Cardoso de Lima e Salvador Cardoso do Nascimento, que tocavam caixa e pandeiro. Moravam em Biritiba Ussú, mas ficavam em Mogi das Cruzes, durante a festa.

Estão presentes em toda a novena que antecede o domingo de Pentecostes, em várias ocasiões, cantando em louvor ao Divino, homenageando festeiros nas casas e nas ruas por onde passam: a cada noite visitam ex-festeiros e festeiros do ano, saindo de uma casa, indo a outra, acompanhados de devotos, muitos carregando suas bandeiras em cumprimento a promessas, terminando com a chegada ao Império do Divino. O Império é preparado com antecedência, com ornamentação que dá destaque à imagem do Divino. Local em que as pessoas se dirigem para rezar diante da imagem, onde são guardadas as bandeiras dos devotos que saem em procissão, durante a madrugada, conhecida como alvorada, e ponto de chegada da Entrada dos Palmitos. A Entrada dos Palmitos ocorre na manhã dos sábado, penúltimo dia da festa. É um grande cortejo festivo que atravessa a cidade com cavaleiros, charretes, carros de bois, carregando crianças, palmeiras e bambus. Os festeiros andam a pé, junto a devotos com suas bandeiras, banda de música, grupos de moçambique, congadas e o povo em geral. Selecionei alguns trechos cantados pelos foliões do Divino, pois o som das vozes e instrumentos de corda e percussão atravessava ruas da cidade todas as noites do período de festas e eram marcantes, compondo, a seu modo, a polifonia da festa. O modo de cantar dos foliões era singular.

Dentre os versos cantados, transponho uma sequência fornecida por eles a Alfredo Molina e Alice Kato, publicada em A Festa do Divino em Mogi das Cruzes (1973, p, 14 -15):

Divino Espírito Santo

Espírito verdadeiro

Abençoe os seus devotos­­­­­­­­

E também os nobres festeiros.

 

Divino Espírito Santo,

Espírito de alegria,

Abençoe os seus festeiros

Com toda a sua família.

 

Meu Divino veio voando

Está cansado de voar;

Meu Divino veio do céu

Para seu dia festejar.

 

Divino Espírito Santo,

É nosso pai de verdade;

Ajudai a nossa vida

E para toda a eternidade.

 

Na chegada ao Império

Fazemos nossa oração

Ali está o Espírito Santo

O nosso pai da salvação.

 

Os foliões cantam no Império do Divino – 1975 (f.045 – l. A) [26:50 – 28:40] e

1977 (f.098 – l. A) [3:00 em diante]

Que encontro tão bonito

nós tivemo nessa hora…

 

1977 fita 058 Festa de São Benedito na casa de Dona Guilhermina – Vila das Palmeiras São Paulo, SP, 14/05/1977 (Fita 2)


SINOPSE

Esta é a segunda fita, contendo reza cantada dentro de casa, Rezou-se o terço para São Benedito, tendo como vozes principais a de  Dona Aparecida, acompanhada pelas Dona Albina, Dona Chiquinha, Dona Guilhermina, a festeira, e também, as vozes de Dona Mariquinha e Nino, filhos de Dona Guilhermina. Exemplificam bem o cantochão existente em várias comunidades tradicionais, com algumas palavras em latim.

As gravações desta fita foram feitas em espaço fechado dentro da sala.

 

TRANSCRIÇÃO

 

Lado A

 

1 –  (0:12- 1:07)

Seja bendito/ seja louvado

Corpo de Cristo / sacramentado

Sacramentado / na eucaristia

Na eucaristia / ave Maria

 

Terço

2 – (2:55 – 4:17)

Ô Maria / concebida

Concebida/ sem pecado

Rogai a Deus por nós ai como nós rogamos a vós

 

Quem soubera /  quem é Maria

Dela nunca / esqueceria

É na vida e é na morte ela seja a nossa guia (bis)

 

terço (quarto Mistério)

3 – (5:20 – 7:27)

Ob,: Cantochão com palavras em latim. Foi transcrito como se ouve.

Glória patri e é do Filho é do Espírito Santo

Que por ele em princípio

É de nunca e sempre

E de século seculorum amém

Amado Jesus José e Joaquim

Ana e Maria

Eu vos dou

Meu coração

E na hora e dia

Acedei com piedade

E na última agonia

 

Terço (Quinto Mistério)

 

4 – (8:46 – 13:41)

 

Eu adoro o meu Jesus

Desde a hora que nasceu

E a hóstia consagrada

Misericórdia meu Deus

Misericórdia Senhor

Misericórdia eu vos peço

OBS.: Só transcrevi o trecho inicial

 

Terço

Oração a São Benedito  (16:00 – 19:00) pedindo proteção

Ainda não foi transcrita

 

5 – (20:10 – 23:17)-transcrição está diferente da fita nessa posição

Ofereço este terço

E esta oração

Que rezamos agora

Pra São Benedito

Que rezamos nesta hora

Ao meu São Benedito

 

Seja toda hora

Seja todo dia

Conservai na frente dela

A estrela da guia

Conservai na frente dela

A estrela da guia

 

6 – (23:18 – 24:59)

Vosso terço está rezado / Sua missão está cumprida (bis)

Vosso terço está rezado / ai meu Deus/ o rosário de Maria (bis)

 

7 – (25:00 – 26:00)

 

Vivas a São Benedito, Nossa Senhora da Aparecida e outros

Uma salva de palmas para Santa Isabel!

Louvado para sempre amém Jesus

Rezam agora para Nossa Senhora da Aparecida

Salve Rainha em responso, alternando-se vozes femininas e masculinas

Oração a ossa Senhora Aparecida

 

8 – (30:44  – fim da fita)

Inicia o canto a São Sebastião que continua no lado B

 

Lado B

 

9 – (0:49 – 1:35)

São Sebastião / Marco celeste

Livrai-nos da peste / da fome e da guerra

Voltamos a Deus / com todos cuidado

Para merecer-me / e ser dele alembrado

 

10 – (01:49 – 04:35)

Santa Luzia quando andou no mundo (bis)

Aonde ela passou deixou uma fonte (bis)

Os anjos desciam / beber água nela (bis)

Sempre as estrelas / Senhora tão bela (bis)

Ajoelhado vai de passo (bis)

Leva esta reza ao Senhor dos Passos (bis)

 

11- (04:58 – 06:04)

Chegamos e beijamos / em tão boa hora (bis)

Beijamos Jesus / e Nossa Senhora  (bis)

A Nossa Senhora da Piedade (bis)

É a estrela do Norte / e  da virgindade (bis)

Fita 59 – Festa de São Benedito – Batuque na casa de Seu Ageu

Barueri, 21/05/77


 

Anotações em caderneta

21/05 – Barueri

Contextualização

Marcos e eu fomos com dois amigos, Maria Lúcia Montes e Kevin, a convite de Dona Albina. Fiz as fotos. Marcos gravou. Fiz anotações na caderneta, que também contém anotações de Maria Lúcia e do Marcos. Há informações sobre o lugar, frases ditas por pessoas presentes, além de nomes e endereços. Reuni algumas informações da caderneta com a transcrição feita com a nova digitalização. Há algumas interferências que prejudicam o entendimento de algumas modas.

Para quem não conheceu o batuque de antigamente, preciso dizer que era dançado apenas por pessoas de idade, residindo em várias cidades paulistas: São Paulo, Tietê, Piracicaba, Sorocaba, Laranjal, Barueri. Tinham uma espécie de Sociedade e, quando eram convidados para alguma festa, avisavam os companheiros dos vários lugares.

Informações sobre o lugar anotadas na caderneta:

Descer na Estação, pegar a rua que dá na ponte do rio, depois chegar na Igreja, subir rampa à esquerda.

Falta escanear mapa manuscrito  e inserir aqui

Marcos anotou pedaços de frases de Seu Ageu sobre sua infância:

 

Ageu: “Passei a mão ni mim mesmo… no meu trapiche” (sobre fuga de casa)

“A uma hora depois da meia-noite”.

A madrasta: “Madrasta que o diabo arrasta”.

 

Fiz anotação de nomes e alguns endereços

Sr. João do Carmo (o que não dança)

Antonio Dias (o mais velho da sociedade)

Piracicaba – Sr. Alvelino

De chapéu Sr. Roberto do Porto

Piracicaba – Dona M, Benedita dos Santos

Dona Inocência (blusa cor-de-rosa)

Na caderneta de campo, além de anotar algumas letras do batuque, enquanto os batuqueiros estavam ensinando a moda para os homens, fizemos a descrição quase total da dança.

São feitas duas filas. A dos homens está próxima dos tocadores de tambú, quinjengue e matraca e cantadores. Os homens aprendem  a moda e vão até as mulheres. (É a primeira viagem para se conhecerem). Depois as mulheres vão seguindo os homens até a fila deles para aprender a moda. Em seguida, os homens saem de novo em fila, acompanhando as mulheres e no local onde estão de novo em fila, dão umbigada nas mulheres e voltam para seus lugares.  A fila das mulheres se desloca até a dos homens  e ali dançam, dando umbigada. Assim segue a dança: os homens se deslocando até as mulheres e elas os acompanhando até a deles, fazendo assim várias viagens.

Na primeira vez que se deslocam vão todos. Depois parece ser à escolha. Por exemplo. Saem os pares: dois homens vem, Depois duas mulheres vão.

Maria Lúcia escreveu na caderneta:

A canção é  “cozinhada” entre os batuqueiros. Todos saem e vão “ensinar” as mulheres. Voltam, de costas, batendo os guiás e as mulheres vão junto. Não dão a embigada. Voltam de costa, e os homens seguem (alguns, apenas) e dão a umbigada. As mulheres escolhidas saem e escolhem seus pares na fila dos homens.

 

A anotação de alguns versos que auxiliaram a transcrição de áudio, que segue:

TRANSCRIÇÃO

Reza cantada (00:01 – 06:43)

1 – (00:01 – 02:19)

Oi viva São Benedito (bis)

Oi viva São Benedito (bis)

Oi viva oi viva São Benedito (bis)

Oi vamos cantar um viva

Oi viva oi viva São Benedito

Oi viva oi viva São Benedito (bis)

 

2 – (02:19 – 03:29)

Oi viva viva São Benedito (bis)

Vem socorrer meus irmão aflito (bis)

Oi viva oi viva São Benedito…

 

3 – (03:00 – 05:13)

Eu não sei rezar (bis)

O meu coração é só pra te adorar (bis)

Eu não sei rezar (bis)

Mãezinha do céu eu quero encontrar

Eu quero encontrar contigo lá no céu

Mãezinha do céu eu quero encontrar

Eu quero encontrar contigo lá no céu

Seu manto é azul seu véu é tão branco

É a Nossa Senhora que vem pra nós adorar

 

[…]

OBS.: Faltou transcrever um canto de procissão

 

Batuque (06:44 –

 

1 – (06:50 – 09:55)

u montava em burro brabo / até de cara pra trás (bis)

Ai meu tempo de criança

Agora  não volta mais

Ai  meu tempo de criança

Agora  não volta mais

Eu montava…

 

2 – (09:55 –  10:41)

Só instrumentos (confuso)

 

3 – (10:42 –  12:20) [10:42 –  13:18]

 

Ê Ageu nós rezamo todo dia

Pra você gozar saúde

Junto com  sua família

 

Nós viemo de São Paulo

Pra dançar em Barueri

 

Ê Ageu nós rezamo todo dia…

 

4 –  (13:41 – 15:10)

Ê Ageu Ageu Ageu

Sua estrela brilhou no céu

Na sua horta choveu

 

A sua promessa tá cumprida

Vamos dar graças a Deus

 

5 –  (15:11 –  17:00)

Papagaio controlando

 

Ninguém viu o que eu vi hoje

Lá na Cidade Jardim

Papagaio controlando

A companheira do chupim

 

O tico-tico ficou bravo

Ele foi falou assim

Que o mundo dá muita vorta

Você vai precisar de mim

 

OBS.: Em certo momento alguém diz “a batida corrida é melhor”

 

6 – (17:00 – 17:55)

 

São Benedito poderoso

Com seu afiado no braço

Proteção do mundo inteiro

Proteção dos nossos passo

Livra nós dos inimigo

Livra nós dos embaraços

 

7 – (18:00 – 20:10)

Muito confuso

 

8 – (20:17 – 22;00)

 

Um minuto de silêncio

Nosso amigo que morreu

Um minuto de silêncio

Nosso amigo que morreu

 

Nosso amigo João Marmanjo

Foi co’os anjos foi com Deus

Nosso amigo João Marmanjo

Foi co’os anjos foi com Deus

 

 

9 –  (22:08 – 23:21)

Aê aê

Ê maninho

Mas ninguém abre a minha porta

Mas ninguém fecha o meu caminho

 

Aê aê

Ê maninho

Todo o mundo me vê só

Mas eu nunca tô sozinho

 

10 – (23:22 – 24:27)

 

Ê Ageu ê Ageu

Todo mundo me consola

Pra eu não ficar sozinho

Todo mundo me consola

Pra eu não ficar sozinho

 

Ninguém abre a minha porta

Ninguém fecha o meu caminho

Ninguém abre a minha porta

Ninguém fecha o meu caminho

 

11 – (24:28 –

 

Que mulher  é aquela

Ô Maria mulata

Seu carinho me consola

Seu coração que me mata

[…]

 

12 – (26:40 – 27:00)

 

Difícil de  transcrever

 

13 – (27:16 – 27:35)

 

Eu nasci em Jumirim

Minha cidade natá

Fui registrado e batizado

Ô morena

Na cidade Laranjá

 

14 – (27:36 –

 

Até hoje não sei o que aconteceu

Até hoje não sei o que aconteceu

 

Mas o homem que é mandado por mulher

Não pode fazer o que quer

Não ???

 

Alguém diz: É corrido!

 

15 –  (31:00 –

 

 

Ê Gabriel ê Gabriel

 

Paixão se cura com a morte

 

[…]

 

Lado B

 

16 – (0:10 –

 

[…]

… preso na cadeia

Eu tenho a justiça divina

que é o meu advogado

 

Conversa com sambadoras no intervalo.

Explicam como fazem para juntar os  sambadores que moram em muitas cidades. Está muito difícil de transcrever. Não se denominam batuqueiros, mas sambadores e sambadoras.

Isto porque é um samba que se diferencia dos outros pela umbigada.

 

O lado B só tem 6 minutos gravados, com muita interferência.

 

 

OBS.:

Na caderneta, anotei a seguinte moda que não foi gravada:

 

Quando eu cheguei na ponte

Na entrada da cidade

Inocente eu pensava

Que tudo isso era verdade

Mais tudo isso não passava

De uma grande farsidade

 

 

 

 

1 As cadernetas de pesquisa em Mogi das Cruzes, SP e outras fontes

As pesquisas de campo sobre a Festa do Divino, danças religiosos (São Gonçalo, Santa Cruz), benzimentos e narrativas orais contam com várias cadernetas com anotações, desenhos e gráficos, fundamentais para me lembrar de pessoas, de lugares e da variação coreográfica que a câmera fotográfica nem sempre conseguia registrar com precisão, pois muitas vezes as salas ou outros espaços estavam lotados de participantes e era impossível fazer uma descrição detalhada, simultânea à observação.

Selecionei alguns exemplos para expor e discutir os procedimentos metodológicos que os norteiam.

1.1 Festa do Divino: cadernos, transcrições e outras anotações para lembrar

A Festa do Divino de Mogi das Cruzes inaugura os registros etnográficos deste Acervo. Desde as três primeiras fitas gravadas durante a festa, em 1972, fui reunindo informações contendo versos cantados por grupos de moçambique e congada, conversas com mestres, outros artistas populares, festeiros e ex-festeiros. A cada ida a campo ficava nítida a necessidade do convívio constante com integrantes dos grupos para termos uma compreensão diferente das práticas culturais tradicionais vivas. Quando líamos notícias de jornal sobre esta festa ou outras formas de expressão, sempre encontrávamos ênfase no fato de ser representativa de costumes antigos que ainda eram mantidos por poucas pessoas, minguando cada vez mais o número de dançadores.

Para a amostragem da metodologia utilizada naquela época, recorro a fitas gravadas de 1972 a 1977. Revi fotos, anotações e relatos de pesquisa, começando pela documentação mais antiga. O relato de campo feito logo após o meu “encontro” com a Festa do Divino, contém transcrição de versos, informações dadas em rápidas conversas e reunião de endereços das pessoas com quem conversei. Testava técnicas que me auxiliassem a aguçar meus sentidos para ouvir o que os artistas populares contavam e cantavam, para melhorar o modo de anotar, de refletir sobre o que presenciava, sobre a bibliografia consultada, visando a construção de caminhos teóricos e analíticos. Participantes do Batalhão de Moçambique de Mestre Conrado nos levaram a outras festas, a que o grupo era convidado, e a conhecer outras formas de expressão de que participavam ao longo do ano, como a Dança de São Gonçalo, a Dança de Santa Cruz, realizadas em pagamento de promessas.

O Catálogo geral de registros sonoros inicia com um conjunto das fitas, do no. 001 a 049, gravadas em Mogi das Cruzes, bairros rurais, distritos e cidades vizinhas, de 1972 a 1975.

Em 1976, A Festa do Divino de Mogi das Cruzes foi registrada desde os preparativos, dias antes da festa. Além dos registros sonoros, foram feitas muitas fotos, buscando retratar os diferentes contextos e as pessoas responsáveis pela festa, entre elas as doceiras e cozinheiras, cujo trabalho começa um mês antes da novena.  De 1977 e 1978 são poucos os registros, dos quais selecionei alguns exemplos.

1.1.1 Primeiro relato de pesquisa

O relato de pesquisa “FESTA DO DIVINO – MOGI DAS CRUZES 20/05/1972 e 21/05/1972”, guardado na pasta Mogi das Cruzes – Pesquisas – Festa do Divino, datilografado em páginas destinadas a rascunho, reúne informações de anotações feitas em campo e outros manuscritos. Não se trata de um relato de pesquisa para ser publicado ou mostrado a alguém. Foi guardado nesta pasta e conservado junto com outros documentos (fotos, cartazes anuais das festas…), anotações e primeiras sistematizações sobre o que se viu e ouviu em campo para serem retomadas depois.

Começa com a transcrição de versos contidos na fita gravada dia 20/05/1972. Foram feitos registros durante vários momentos do dia que se caracteriza pela Entrada dos Palmitos, cortejo que ocorre na manhã do sábado, antes do domingo de Pentecoste, e distingue a festa do divino de Mogi das Cruzes de outras existentes no estado de São Paulo, no Centro Oeste e Sul (Minas, Rio de Janeiro, Santa Catarina…).

Os grupos de moçambique e congada despertaram meu interesse e passei a ouvi-los com atenção a partir de então. A cada ano apareciam outros grupos de moçambique e de congada e eram muito diferentes nos cantos, danças, uso de instrumentos, ritmos e melodias. As transcrições me mostravam a diferença de repertório dos grupos, as gravações, as vozes, os acompanhamentos instrumentais. As coreografias eram observadas e feitas anotações e gráficos tentando mostrar a variedade de passos e como alguns versos cantados estavam relacionados com os modos de dançar. Os sons dos moçambiques, produzidos por guizos presos em uma cinta atada no tornozelo de alguns dançadores e pelo manejo dos bastões durante a dança, complementavam o ritmo e a melodia que saiam do canto e dos instrumentos.  As congadas com andamentos mais lentos ou mais alvoroçados em seus diferentes ritmos e melodias destacavam os cantos, as vozes, os corpos em movimento, os bumbos. Tudo isso também me levava a transcrever, a anotar, a observar, a refletir.

Não cheguei a fazer qualquer trabalho acadêmico sobre a Festa do Divino de Mogi das Cruzes ou de suas Formas de Expressão, mas estas sensações e registros se conservaram e foram importantes no meu período de formação como pesquisadora de culturas orais, compartilhado desde 1974 com Marcos Ayala.

Cedo percebi que a escrita faz uma representação muito limitada das culturas orais. Os versos cantados, as conversas quando passadas em letra de forma perdem a vivacidade da fala com as inflexões para ajuste de fonemas e frases ao ritmo e melodia. As partituras também são simulacros do oral.

Atividades de organização das fontes, como transcrição poética e minutagem dos registros sonoros e audiovisuais em arquivos digitais, são necessárias para poder localizar rapidamente os originais para mostrá-los. O meio de divulgação de estudos acadêmicos para exposição e análise das diferentes formas de conhecimento continua a ser o texto escrito, sabemos.

Consultando hoje as velhas anotações junto com os registros digitalizados de som e imagem, é possível pensar em criar novas formas de representação e acesso aos documentos, consciente de que estes são fragmentos de registros de culturas orais, existentes em eventos que nunca se repetirão, mesmo que a Festa do Divino continue a se fazer anualmente.

1.1.2 Sons da rua

Nas gravações, os versos dos diferentes grupos de moçambique e de congada encontram-se entremeados com trechos de conversas, de sons simultâneos que se ouve na rua, criando ruídos ou  efeitos polifônicos que são produzidos pela fusão aleatória de dois ou mais grupos cantando e tocando próximos uns dos outros.

Visando criar certa organização da diversidade presenciada ao longo de seis ou sete anos, os versos e falas selecionados aparecem agrupados, conforme a forma de expressão (moçambique, congadas) com o objetivo de demonstrar aos leitores/ouvintes essa diversidade em cada conjunto. Para ser uma mostra representativa, escolhi trechos da documentação que deixassem fluir a mistura de sons e palavras em uma festa de rua, incluindo letras das canções e sonoridades, que me marcaram e constam como minhas primeiras referências. Somam-se as percepções de Magno Augusto Job de Andrade, a pessoa que, depois de mim, mais conhece as fontes sonoras do Acervo Ayala, e é o responsável pela transcrição de meios analógicos a digitais e pelo desenho melódico mais adequado para os efeitos que se quer provocar nos ouvintes.

  • versos de moçambique e de banda (f.001, l. A ) [0:01 a 3:53] [cad_div-01]

Antes de iniciar a exposição dos exemplos transcritos e dos registros sonoros, cabe fazer algumas observações sobre os versos cantados por grupos de moçambique.

Aprendi com José Lopes de Campos, contra-mestre do Mestre Conrado do “Batalhão de Moçambique Nossa Senhora do Rosário e São Benedito” que, nesta dança, se chamam ramos os versos cantados durante a dança.

Como saber quais ramos foram trazidos pela tradição a que pertence cada mestre ou contra-mestre e que integram o texto mental que cada indivíduo traz em si?

Um dos modos de observar foi o esforço para identificar quem, o que canta, quando canta e se há alguma coreografia relacionada com o canto e os gestos. Com o tempo, essas questões foram se delineando em anotações, registros da performance, conversas e entrevistas com participantes.

Os apontamentos de campo de 1972, transpostos da caderneta para o primeiro relato de pesquisa, já evidenciam, embrionariamente, o que iria se observar nos anos seguintes, a este respeito. Passemos aos repertórios selecionados:

 

A bandeira branca saiu na rua [cad_div-01]

A bandeira branca saiu na rua

A bandeira de nossa senhora

oi chama S. Benedito

pra tirá a bandeira fora

Eh São Benedito

Viva a Virge Maria!

(Batalhão de Moçambique do Itapeti – mestre Benedito Valentim de Godoi Pinheiro, o Seu Dito Pinheiro)

Toque da Banda de Música (acompanhada de latidos de cachorro ao final)

  • Outros ramos de Moçambique

1) Nóis vamo a precura  – 1972 (f.001, l. A ) [5:07 – 7:25] [cad_div-02]

Nóis vamo a precura

Precurando inté achá

ai você baila você dança

que é pra nóis adorá

Eh S. Benedito!

Sarve a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário.

Ehhh…

2) Licença dono da festa   – 1972 (f.001, l. A ) [7:35-8:15] [cad_div-03]

Licença dono da festa

prá chegá nossa bandeira

Eu peço a menor licença

pra ganhá a licença inteira

Eh estrela!

Eh a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário!

3) Divino Espírito Santo – 1972 (f.001, l. A ) [8:35-10:57] [cad_div-04]

Divino Espírito Santo

Abre as asas pra voar

hoje chegou seu dia

que nóis vamo festejá

Eh sarve S. Benedito!

eh sarve a Virgem Maria!

4) Andorinha voou foi se embora – 1972 (f.001, l. A ) [11:00-12:07] [cad_div-05]

Andorinha voou foi se embora

Passarinho santo de Nossa Senhora.

Eh S. Benedito!

Eh Nossa Senhora!

Oi estrela!

Eh a Virgem Maria!

Nossa Senhora do Rosário!

5) Andorinha voou foi em Belém – 1972 (f.001, l. A ) [12:08-14:12] [cad_div-06]

Andorinha voou foi em Belém

Nossa Senhora que mandou vê

Eh  os anjooo

Sarve a Virge Maria

Nossa Senhora do Rosário!

Nota: até aqui, versos do Batalhão de Moçambique do Itapeti

6) Sarve  sarve sarve o santo – 1972 (f.001, l. A ) [14:18-17:36] [cad_div-07]

Ô sarve sarve sarve o santo

sarve o divino  Espírito Santo

Eh S. Benedito!

Eh Virgem Maria!

Eh ah eh S. Benedito!

Batalhão Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, do Mestre Conrado

Nota: Atenção aos sons (bumbo, parnanguame, guizos e bastões)

7) Eu subi co’a coroa – 1972 (f.001, l. A ) [17:50-19:00] [cad_div-08]

Eu subi co’a coroa

No repique do sino

Eu subi co’a coroa

Eu desci co’o Divino

Ehh…

Nota: Este ramo aparece novamente  diante

8) Oh divino pai oh divino mestre – 1972 (f.001, l. A ) [23:00-26:09] [cad_div-09]

Oh divino pai oh divino mestre

no nosso batismo o Divino aparece

Ehh São Benedito!

Eh Virge Maria!

Eh S. Benedito!

Ah eh!!!

9) Passarinho santo que Deus deixou – 1972 (f.001, l. A ) [26:10-28:10] [cad_div-10]

Passarinho santo que Deus deixou

ai o divino Espírito Santo

Ehhh…

10) São Benedito é o nosso santo padroeiro – 1972 (f.001, l. A ) [28:11-30-27] [cad_div-11]

O São Benedito é o nosso santo padroeiro

É da religião católica

e do folcloro brasileiro

Ehh…

11) Oi Moçambique – 1972 (f.001, l. A ) [30:28-32:32] [cad_div-12]

Oi Moçambique

é desde o tempo de criança

tenho fé em S. Benedito

tenho fé, tenho esperança

Ehh…

12) A riqueza nunca usa soberbia – 1972 (f.001, l. A ) [32:33-35:20] [cad_div-13]

A riqueza nunca usa soberbia

A riqueza vem do céu, do rosário de Maria

A riqueza já não usa soberbia

A riqueza vem do céu, do rosário de Maria

Ehh…

  • sobre promessa e carros de bois

No relato de pesquisa fiz anotações com base em conversa com uma devota que estava com sua bandeira, Dona Ana Ferreira de Toledo, e na observação:

– SOBRE A BANDEIRA DO DIVINO. Informante: Da Ana Ferreira de Toledo.

A pessoa faz a promessa e sai [com a bandeira]. Saiu no ano passado pela primeira vez para pagar uma promessa: sua filha estava doente. A filha saiu a primeira vez e ela, a mãe, continua saindo. Segundo a informante a festa começou no dia 20 de abril. Segundo ela tem 12 carros de boi na Entrada dos Palmitos. Os carros saem da Praça das Bandeiras, mas este ano por estar em obras o local, a saída é no Tiro de Guerra. Os bois têm os chifres enfeitados com flores de papel crepom: vermelhas, rosas, azuis, amarelas. A canga também é enfeitada de flores. Crianças saem nos carros de bois enfeitados com cipreste e flores de papel crepom.

ENTRADA DOS PALMITOS:

1º – Cavaleiros do Divino

2º – Carros de bois carregados de palmitos (palmeiras) e crianças. Os carros são enfeitados com arcos de cipreste e flores de papel. Bois: flores nos chifres e na cangalha.

3º – Moçambiqueiros. Dois batalhões: Batalhão N. S. do Rosário e São Benedito (Mestre Conrado Alves de Souza) e Batalhão do Itapeti (Mestre Benedito Valentim Pinheiro).

4º – Bandeiras do Divino

– Quantos carros de boi tem? – 1972 (f.001 l.B) [01:20 – 02:33] [cad_div-14]

  • sons de instrumentos e guizos de moçambique [19:00 – 19:47] [cad_div-15]
[Na coletânea podem aparecer estes e outros trechos semelhantes encontrados nos vários anos]
  • novos ramos:

1) Nossa bandeira é com fita azul – 1972 (f.001 l.B) [22:00-23:50 + 23:50-] [cad_div-16]

Nossa bandeira é com fita azul

Nossa Senhora de Tambaú

Nossa bandeira é de fita azul

Nossa Senhora de Tambaú

Ehh…

2) Ai moçambique  – 1972 (f.001 l.B) [23:50-27:00] [cad_div-17]

Ai moçambique

foi dois anjo que inventou

dança preto dança branco

dança Deus nosso senhor

3) Eu subi lá no céu – 1972 (f.001 l.B) [27:00- 28:06] [cad_div-18]

Eu subi lá no céu

No repique do sino

Eu subi co’a coroa

Desci co’ o Divino

4) Cuitelinho verde – 1972 (f.001 l.B) [35:00-35:36] [cad_div-19]

Cuitelinho verde

beija a flor de laranjeira

Ele vem devagarzim

Pra beijar nossa bandeira

Nota: Versos ditos pelo contra-mestre Zé Lopes em conversa, onde manifesto minha ignorância total: não entendo o que ele fala nem o que é cuitelinho (=beija-flor)

5) O sór nascê – 1974 (f. 007 – l. A) [29:15- ……..]  [cad_div-20]

O sór nascê eu vi nascê

pula  castigo que eu quero vê

6) Ô vamos passar brilhante [cad_div-21]

Ô vamos passar brilhante

nós vamos passar brilhante meus irmão

Nota: brilhante é o nome atribuído aos bastões. Há nos versos que ganham uma coreografia própria: os dançadores dançam sobre os “brilhantes” enfileirados no chão sem tocar neles. os mestres ficavam furiosos quando os dançadores embriagados, ao pularem os bastões, espalhavam tudo…

7) Estrelinha que vem – 1974 (f. 007 – l. B) [0:19 -040] [cad_div-22]

Estrelinha que vem

Estrelinha que vai

Com São Benedito

Nós vamos em paz

Nota: Muitas vezes este ramo é cantado antes de intervalos para descanso, de conclusão de apresentações durante a festa.

7) Ô Mariaa – 1974 (f. 007 – l. A) [30:25- 31:05 ] fragmento [cad_div-23]

Em nome do pai e do filho

Ô Mariaa

E do Espírito Santo Amém

Ô Mariaa

O pai nosso que estais no céu

Ô Mariá

Santificado seja o vosso nome

Ô Mariaa

Venha nós o vosso reino

Ô Mariaa

Seja feita a vossa vontade

Ô Mariá

Assim na terra como no céu

O pão nosso de cada dia

Ô Mariaa

nos dai hoje e perdoai

Ô Mariaa

nossas dívidas de todo […]

Nota: Há outro registro, Ô Mariaa – 1977 (F.099 – l. A) [8:00 – 12:14], em que se gravou toda a reza cantada, mas a qualidade do registro foi prejudicada por interferências sonoras no contexto. Os versos seguintes aos que faltam acima concluem o Padre Nosso, seguem com adaptação de oração de louvor a Maria e terminam com versos de agradecimentos a todo do grupo e aos responsáveis pela festa.  Tanto as orações adaptadas à maneira dos responsos [Nota sobre responsos, citar MAndrade], quanto ao improviso final, demonstrando sua gratidão aos componentes do grupo revelam a cordialidade característica da cultura caipira.

[Selecionar ainda um trecho do “obrigado pela atenção” em que agradece a presença do tocador de parnanguame e outros.]
  • Sons e versos cantados das Congadas

Congada Mogiana Brasileira de migrantes, relacionada a terno de congo de Minas de São Gonçalo de Sapucaí, MG

Ô Virge Maria – 1972 (f.002 l.A) [11:30-15:10] [cad_div-24]

Ô Virge Maria

Ô Virge Senhora

Visitai os anjo

No reino da glória

Visitai os anjo

No reino da glória

Nossa Senhora das Dores

rainha dos anjos

coroada de flores

rainha dos anjos

coroada de flores

Ô Virge Maria…

Ô Virge Maria…

Ô Virge Maria…

Ô Virge Maria

Tem a paz e tem a luz

O rosário de Maria

O mistério de Jesus

Virge Maria!

Ô Virge Maria…

ô Virge senhora

Nossa senhora das Dores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

Rainha dos anjos

Coroada de flores

Ô Virge Maria…

———–

desde o tempo do cativeiro

laçado pelo pé

São Benedito foi cozinheiro

Eh São Benedito!

Uma das integrantes dá informações e diz ”Esta festa esteve boa, esteve de deixar saudade!”

Naquela época, estava iniciando minhas leituras de João Guimarães Rosa, onde encontrei um eco desta frase na Festa de Manuelzão [Desenvolver]

Deus vos salve casa santa– 1972 (f.002 l.A) [23:10-28:50] [cad_div-25]

Deus vos salve casa santa

onde Deus fez a morada

Deus vos salve a casa santa

onde Deus fez a morada

onde mora o calix bento e a hóstia consagrada

onde mora o calix bento e a hóstia consagrada

[Na fita, faço a descrição da dança em volta do Mastro. Manter, se char bom]

Ai Divino – 1972 (f.002 l.A) [30:20-34:00] [cad_div-26]

Ai Divino

Divino da Eucaristia

Ai Divino

Divino da Eucaristia

São Pedro será meu mestre

e o Divino será minha guia

São Pedro será meu mestre

e o Divino será minha guia

– Congo de São Gonçalo de Sapucaí, Minas Gerais – 1974 (f. 005, l. A) [até 6:23] [cad_div-27]

Ô sabiá

Ô sabiá

tu é mais feliz que eu

Ô sabiá

invejo o destino seu

Ô sabiá

porque canta triste assim

Ô sabiá

deixa a tristeza pra mim

Quando eu vejo um sabiá

numa gaiola cantando

eu começo a relembrar

o tempo que eu vivi amando

aquela ingrata Maria

que roubou minha alegria

eu também vivia cantando

pois isso era o que eu queria

Salve a rainha e o rei  [cad_div-28]

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

O mistério de São Benedito

eu não deixo assim atoa

O mistério de São Benedito

eu não deixo assim atoa

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Salve a rainha e o rei

Porque o rei tem coroa

Mas o meu coraçãozinho

Eu não entrego assim atoa

Mas o meu coraçãozinho

Eu não entrego assim atoa

– Congada de S. Benedito e N. Sra. do Rosário:

Nossa Senhora vem num barco – 1974 (f. 005, l. A) [6:23 – 9:02] [cad_div-29]

Nossa Senhora vem num barco

  1. José que tá remando

Nossa Senhora vem num barco

  1. José que tá remando

Levanta a bandeira de paz

  1. Benedito está mandando

Levanta a bandeira de paz

  1. Benedito está mandando

Ô linda baiana – 1974 (f. 005, l. A) [9:03 – 13:21] [cad_div-30]

– Ô linda baiana

– O que é meu bem                      Bis

– Como vai a nossa festa

– Ai vai indo muito bem

– Oi linda baiana, oi linda meu bem

– samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

samba baiana

– Oi linda baiana

– O que é meu bem

– Como vai o nosso prefeito

– Ai vai indo muito bem

– Oi linda baiana

– O que é meu bem

– Como vai o nosso festeiro

– Ai vai indo muito bem

– Oi linda baiana, oi linda meu bem

– samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

samba baiana

– Oi linda baiana

– O que é meu bem                                                   Bis

– Como vai as nossas crianças

– Ai vai indo muito bem                                            Bis

– Oi linda baiana, oi linda meu bem

– samba baiana, a saia dela é ouro em pó                 Bis

samba baiana

 

Avistei a cidade do Rio – 1974 (f. 005, l. A) [13:50 – 15:36] [cad_div-31]

Avistei a cidade do Rio

Avistei a cidade do Rio

Saio da barca e entrei no navio

Avistei a cidade do Rio

Saio da barca e entrei no navio

Ai vem navio – 1974 (f. 005, l. A) [15:37 – 19:30] [cad_div-32]

Ai vem navio/ ele vem serenando

aqui noutra canoa/ eu estou remando

cortando água/ cortando água

Olha lá que ele vem/ ele vem serenando

cortando água/ cortando água

Olha lá que ele/ vem ele vem serenando

[Falta completar o resto da transcrição]

Ô Laura – 1974 (f. 005, l. A) [19:31 – [cad_div-33]

Ô Laura ô Laura ô Laura

Ô Laura ô Laura ô Laura

Ô Laura

Volte pra casa pro meu coração sossegar

Volte pra casa pro meu coração sossegar

[Falta completar o resto da transcrição]

Chorei chorei  [cad_div-34] [Falta inserir a transcrição]

 

Andorinha dourada  [cad_div-35]

Andorinha dourada

andorinha dourada

Bate as asinha andorinha/ é de madrugada

bate as asinha andorinha/ é de madrugada

Viva meu S. Benedito [cad_div-36]

Viva meu S. Benedito

Viva nessa hora

Viva meu S. Benedito

Ele é o rei da glória

– Congada de Mestre Alcides (f.045 – l. A) [0:00-2:22] [cad_div-37]

Oi o meu coração tá doeno

Oi o meu coração tá doeno

tá doeno deixa doer                     Bis

tá doeno tá doeno

deixa doer

Tá doeno deixa doer                     Bis

tá doeno tá doeno

deixa doer

Oi o meu coração…

Meio dia tem moçambique – 1975 (f.045 – l. A) [2:22 -2:50] [cad_div-38]

Meio dia tem moçambique

duas horas tem cavaiada

cinco horas tem procissão

as seis vai ter missa cantada

 

Ó a poeira aí – 1975 (f.046 – l. A) [18:27 – 22:58] [cad_div-39]

Ó a poeira aí, morena

pisa devagar

Tem poeira aí, morena

pisa devagar

Que o meu sapato é branco

Morena

eu não quero escorregar

Nota: Esta canção tem um ritmo e melodia parecido com o do samba-lenço de Mauá;.há uma voz feminina parecida com a da Dona Chiquinha, da Vila das Palmeiras. No final, som de carro de boi

Agradecendo o almoço

[…]

To fazendo a despedida

com a dança do coração

quem tem lenço na campana?

quero ver agora na mão

A dança da despedida

é  dança do coração

A dança da despedida

é  dança do coração

Quem me ensinou a nadar – 1976 (f.045 – l. B) [6:15 – 8:35] [cad_div-40]

Quem me ensinou a nadar

foi os peixinho do mar                 Bis

foi foi foi foi marinheiro

foi os peixinho do mar                  Bis

 

Cai sereno cai devargazinho – 1976 (f.045 – l. B) [10:45 – 12:30] [cad_div-41]

Cai sereno cai devagarzinho

Cai sereno cai devagarzinho

Cai sereno pra molhar o meu caminho

Cai sereno pra molhar o meu caminho

– Congada de Biritiba Ussu

Glória a Deus que lhe ajude  – 1976 (f.049 – l. A) [0:00- 3:57] [cad_div-42]

Glória a Deus que lhe ajude

o festeiro

Quando o galo canta – 1976 (f.049 – l. A) [15:29 – 18:41] [cad_div-43]

Quando o galo canta

é de madrugada

saia na janela

sai nossa congada

Nota: continua com o som dos tambores em evolução e emenda com outro som de tambores

Explicação de Seu Conrado sobre o moçambique  – 1976 (f.049 – l. A) [13:00 – 14:20] [cad_div-44]

dança africana

– moçambique de??? – 1976 (f.049 – l. B) [15:32 – 17:18] [cad_div-45]

Piripiripiri

eu vi o canário cantá

ah eheheh ah

da licença pra nóis pelejá

– Marujada – Dico [Ver nome no cartaz] [cad_div-46]

Ê Virge Maria(f.099 – l.B) [11:16 –

Ê Virgee

Ê Virgee Maria

Rainha do Rosário

ela é a nossa guia

– 1978 (f.102 – l. A [0:00 – 6:00] [cad_div-47]

fim de canto de moçambique; o som de guizos emenda com o som da marujada

Abre a porta do céu

São Miguel

Venha arreceber

Traz a balança

E pesa essas alma

Quem for pecador

Vai aparecer

[13:00 –] [cad_div-48]

parte declamada –

segue outro ritmo

O rosário é meu [15:00 -][ cad_div-49]

O rosário é meu

o rosário é meu

foi pai de santo

quem me deu

Nota: som dos tambores por volta do 20:00 e continuando até [cad_div-50]

Rainha fulô

Rainha fulô

Rainha fulô

rainha de nosso Sinhô

Foliões do Divino cantam no Império do Divino– 1975 (f.045 – l. A) [26:50 – 28:40] [cad_div-51]

Que encontro tão bonito

nós tivemo nessa hora…….

 

A Festa do Divino de Mogi das Cruzes inaugura os registros etnográficos deste Acervo. As primeiras gravações datam de 1972 – são três fitas gravadas durante a festa. A primeira observação desta festa motivou novas idas a campo para gravar entrevista com Seu Conrado, mestre do Batalhão de Moçambique, e modas de viola, cantadas por integrantes deste grupo, antes da Festa do Divino de 1974. O convívio com integrantes do Batalhão de Moçambique de Seu Conrado nos levou a conhecer outras formas de expressão de que participavam ao longo do ano, como a Dança de São Gonçalo, a Dança de Santa Cruz, realizadas em pagamento de promessas.

Como se pode observar no Catálogo de Registros Sonoros, o conjunto das fitas 1 a 49 contém registros feitos em Mogi das Cruzes, bairros rurais, distritos e cidades vizinhas, de 1972 a 1975.

Em 1976, A Festa do Divino de Mogi das Cruzes é registrada desde os preparativos, dias antes da festa. Em 1977, foram gravadas as fitas 97 a 100, em 1978, só uma parte do Batalhão de Moçambique e da Marujada.

Como são muitas fitas, para amostragem, foi feita uma coletânea em 2 CDs contendo trechos  selecionados dos registros feitos entre 1972 e 1978 em Mogi das Cruzes. As vozes dos Foliões do Divino atravessam os CDs, como os cantos de Moçambique vão e voltam, criando recorrências e por fim cantos de congada, terminando com a Marujada de Seu José Isidoro e Dico, em que são fortes os tambores e o canto. Foram inseridos, em três faixas, os Foliões da Festa do Divino de Piracicaba para contraste. A última faixa, panorâmica, traz fragmentos de vários registros selecionados e de entrevistas, com o som da Marujada ao fundo.


Saiba mais acessando o texto multimídia:

Cadernetas do Divino


Catálogo de Registros Sonoros

Amostras

Coletânea:


Galeria de fotos:

A festa dos santos reis… do rádio: um exemplo de relato crítico

Maria Ignez Novais Ayala e Marcos Ayala

A folia de reis é uma dança dramática que expressa a religiosidade popular de comunidades tradicionais brasileiras. Em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro são muitos os grupos existentes em vários municípios.

Tivemos a oportunidade de participar de três festas e de assistir a apresentações de diferentes grupos em festivais e mostras de folclore ou cultura popular nos anos 1970 e 1980, que ficaram em nossa memória e acervo. Vamos exemplificar com o que vivenciamos nas festas, sendo que duas ocorreram em bairros de São Paulo e outra em no sítio de uma dupla sertaneja que tinha um programa no rádio.

Vou escolher para comentar, aqui, a que ocorreu no sítio de Arujá, em 09/01/1976, de que dispomos de duas fitas gravadas e digitalizadas (fitas 053 e 054 do Catálogo), pois, como verão, tem características diferentes das promovidas devido a promessas em comunidades tradicionais. O relato desta festa foi escrito em 1976, logo depois da observação direta e se manteve inédito. É deliberada a ironia em alguns momentos para destacar talvez a condição mais popularesca do que popular deste contexto. Além do texto datilografado, encontramos um envelope com algumas anotações desenvolvidas neste texto. As fotos foram feitas em slide, que sofreram a ação do tempo, com alteração de cor e fungos, mas foram recuperadas através de digitalização de Maria Ignez Novais Ayala recente.

A FESTA DOS SANTOS REIS… DO RÁDIO

Marineis Novais[1] e Marcos Ayala

A Festa dos Santos Reis vem acontecendo há seis anos, na zona rural do município de Arujá, SP, numa capela erguida em louvor aos Santos Reis. Esta festa é parte de uma promessa, feita pela dupla sertaneja “Moreno e Moreninho” − ‘’A dupla mais ouvida do Brasil”−, e neste ano se realizou no domingo seguinte ao Dia de Reis.

Aruja04

No local, enfeitado com arcos de bambu e uma infinidade de bandeiras do Brasil (substituindo as tradicionais bandeirinhas de papel), encontravam-se o palanque coberto, barracas de sanduiches, de bebidas e de diversões (o que, sem dúvida, assegurou um grande lucro aos organizadores, uma vez que havia lá mais de mil pessoas).

O público provinha de vários locais. Moradores da Serra do Itapeti, Mogi das Cruzes, Biritiba Mirim, Biritiba Ussú, Guarulhos e São Paulo – São Miguel Paulista, Ipiranga, Cangaíba etc.

Aruja09

Aproveitando o acontecimento, houve um afluxo de ambulantes vendendo suspiros, maçãs-do-amor, fatias de abacaxi, bolos, churrasquinhos-de-gato, balões de gás, discos, fitas cassete, agulhas, retroses e botões e quinquilharias de gêneros diversos. Só faltavam, mesmo, os carnês do Sílvio Santos. Não faltou nem o realejo, embora alterado: um gravador embutido em caixa de realejo apresentando, como diriam alguns, “uma perfeita fusão do moderno e do tradicional”. Modelo semelhante pode ser encontrado nas imediações da Estação da Luz, em São Paulo.

Havia vários gravadores, só que nesta festa as gravações não eram feitas por pessoas estranhas à manifestação, mas por componentes do público e integrantes das Folias de Reis.

Aruja11

Numa época em que se fala tanto na morte da cultura popular, na substituição de elementos “autênticos” por outros vindos de uma cultura de massa, surgem os gravadores e fitas nas mãos de irmãos de dançadores e de violeiros ou de simples espectadores. Vale dizer que não foi esta a primeira vez que tivemos a oportunidade de observar isto. Está acontecendo em muitos lugares, relacionado a diversas manifestações da cultura popular.

A utilização destes equipamentos é importante em vários aspectos. Possibilita a memorização da sequência inteira da manifestação pelas gerações mais novas, assegurando sua continuidade. Além de preservação é uma forma de lazer, pois estas gravações são constantemente ouvidas pelos integrantes do grupo, familiares, amigos e conhecidos.

Sabe-se que a cultura de massa é veiculada por fitas, discos, rádio, TV, etc. e que procura impor seus valores ou então veicula a cultura popular, na maioria das vezes, alterada através desses meios de comunicação. Se a TV, o rádio e o disco apresentam um produto já feito, acabado, as fitas para gravador nem sempre, pois existem as fitas virgens e nelas se grava aquilo que interessa a seu proprietário. Assim, quando o gravador está na mão dos responsáveis pela cultura popular, serve para manter esta cultura da maneira que ela se apresenta, podendo inclusive se opor à indústria cultural.

Na verdade, eram pouquíssimas as pessoas “de fora”: dois fotógrafos, que colhiam fotos para capas de discos sertanejos e repórteres da Rede Globo, filmando apenas alguns minutos para noticiário da emissora. Compreende-se a rápida passagem da Rede Globo pela festa,  quando se lembra que a dupla tem programa na Rádio Nacional.

Além de Moreno e Moreninho, outras duplas da Nacional e outras emissoras se apresentaram. Na segunda parte da festa, tendo como grande atração “o sanfoneiro do IV Centenário”, Mário Zan. A primeira parte foi reservada às folias e a uma fanfarra, havendo um leilão antes do show de moda de viola. Dada a grande quantidade de duplas, em certo momento não se sabia mais qual a parte mais importante da festa: se as folias, que estão diretamente ligadas aos santos, ou os péssimos violeiros, digo, péssimos violoneiros, já que não havia nenhuma viola, apenas violões adaptados Inclusive os de Moreno e Moreninho). Sem contar a microfonia, que colaborou para a irritação do público.

Se os grupos de foliões fossem considerados pelos organizadores da festa mais importantes que as duplas, o show não teria se arrastado enquanto a Folia de Nova Bonsucesso, de Guarulhos, esperava das 15:30 às 18:00 horas, sem poder dançar na capela, pois, para isso, dependia do consentimento dos “devotos” Moreno e Moreninho.

Tudo isto fez com que a crítica do público, até então contida, viesse à tona. Os foliões só conseguiram permissão para dançar após muitas reclamações, por parte do público e do irmão do responsável pela Folia de Nova Bonsucesso, junto aos organizadores.

Os componentes da folia já estavam exaustos após a longa espera, em pé, sob o sol forte, principalmente os quatro palhaços com o rosto coberto por máscaras de pele de lobo e de carneiro.

Resignados a ir embora sem ter cumprido sua obrigação, os foliões entraram na capela para reverenciar os santos, pois como a dança é uma manifestação popular de religião, quando não se pode dançar, ao menos uma breve oração deve ser feita. Aborrecidos, voltariam para casa, perdendo o dinheiro gasto com o transporte, já que os organizadores da festa não dão auxílio algum aos que ali se apresentam.

Dentro da capela, o público pedia que o grupo dançasse mesmo sem permissão. Uma das manifestações mais decisivas por parte do público foi a do mestre José Alves, proveniente de Mato Grosso, que atualmente se encontra afastado de sua função, pois ainda não conseguiu organizar um grupo em São Paulo. Conversando com o responsável pela Folia de Reis de Nova Bonsucesso, o mestre José Alves insistia:

“Dá ao menos uma cantada. Depois, despede do altar e vai embora. Dá uma cantada e pronto, tio… Ao menos um verso e depois nós vamos embora.”

Momentos depois, desabafou:

“Essa porcariada que a gente tá com o saco cheio de ver, desculpe, mas essa modaiada besta aí…”

Quando alguém se referiu à religião, mestre José Alves, desencantado com a demonstração de “devoção” dos organizadores, respondeu: “A religião, nada… A religião deles é dinheiro!”

Embora para o público as intenções da dupla sertaneja estivessem bastante claras, a filha de Moreno, dentro da capela, tentava provar o contrário, distribuindo justificações e… chaveiros. Segundo suas declarações, a festa é organizada pela dupla Moreno e Moreninho  e seus familiares, sendo divulgada através do programa da dupla na Rádio Nacional.

A reunião de várias folias para esta festa não é tão difícil como em qualquer festa popular, pois os próprios grupos tomam conhecimento pelo programa de rádio e se apresentam dispostos a colaborar com a promessa, Mas a filha de Moreno queria a todo custo mostrar que tudo é difícil:

Se vão ajudar ou não vão ajudar, fica na incerteza. Porque, se tem gente p’ra ajudar, se faz festa. Se não tem, sai como der, não é verdade? Então se vocês colaborassem de chegar mais cedo, “cês” já tinham trabalhado.(…) Tem um ano “procês” pensar, porque nós pensamos, vocês têm que ajudar também. (…) Se não houver colaboração, a gente não aguenta, tá bom?

Resumindo: depois de muita espera e insistência, a folia conseguiu se apresentar e o público pediu bis.

Os fatos mostraram que o público estava lá para ver as folias e não para assistir extensão de programa de rádio. Ficou claro que, para o público, as folias não se encontram no mesmo plano que as modas de viola, pois, enquanto as modas de viola estão mais ligadas à diversão, as folias estão diretamente relacionadas com a devoção, sendo as manifestações mais importantes numa desta de Santos Reis.

Mas se os grupos de dança são mais importantes para o público, não parece ser esta a visão dos “cumpridores daquela promessa” que sequer estavam presentes na apresentação do grupo de Guarulhos.

Apesar de seu sotaque caipira, Moreno e Moreninho parecem desconhecer o princípio religioso que há nas manifestações culturais populares, o que leva a duvidar de que sejam eles reais representantes desta cultura.

São Paulo, 1976

[1] Como Maria Ignez Moura Novais assinava alguns textos naquela época.


Galeria de imagens:

 


 Seleção de áudios:

Sobre o Mestre José Alves:

Sobre o uso de máscaras na Igreja:

“É o primeiro ano que você vem?” Folia de Nova Bonsucesso entra na capela

No caminho do Oriente encontrou os Três Reis Magos cada um como seu presente:

Continuação da Folia de Nova Bonsucesso:

Santos Reis vem visitar:

Despedida e Vivas:

A porta do Céu abriu:

Agradece a promessa/O Santos Reis ta despedindo/Vai deixar recordação

 

Os registros sonoros mais antigos de danças dramáticas nordestinas existentes neste acervo datam de dezembro de 1978, gravadas em Maceió, AL e de novembro de 1978 a junho de 1979, em João Pessoa, PB.

Em Maceió, foram registrados um ensaio e uma apresentação da Chegança Minas Gerais, de Mestre Antônio, além do Guerreiro de Mestre Jorge de Bebedouro, Baianas, Pastoril do Farol, Pastoril Menino Jesus e Guerreiro de Velhos.

Em João Pessoa e em Santa Rita, em janeiro, foram registrados o Cavalo Marinho de Mestre João Raimundo, além de Ciranda e Pastoril, em apresentações públicas.

Foram selecionados os registros de Mestre Antônio e Mestre Jorge, por se tratarem de mestres que eram referência cultural em seu tempo e são tidos como referência ainda hoje em Alagoas.

Dentre as brincadeiras gravadas em João Pessoa, selecionamos a do Cavalo Marinho de Mestre João Raimundo, da qual já participava Zequinha, hoje reconhecido mestre de Cavalo Marinho de Bayeux, uma das referências culturais desta forma de expressão da Paraíba. Também foram selecionados registros de outro Cavalo Marinho de Bayeux e a Barca (ou Nau Catarineta) de Seu Orlando, de Mandacaru, João Pessoa, PB.

Antes destes registros, foram gravados na Festa da Penha, de João Pessoa, em 25 de novembro de 1978, o Cavalo Marinho de Mestre Raimundo, de Bayeux, aproximadamente quinze minutos, com as falas do Mateus, o som de chocalhos e da rabeca, o canto “Na hora de Deus amém”, risos do público por causa do Mateus, som do trupé dos galantes. Tudo isto com muitas interferências, tanto da aparelhagem de som utilizada no local, quanto das vozes do público.

Neste dia, também foram feitos registros de vários cantos da Barca de Mestre Orlando. O Ração fazia muita brincadeira, provocando risos na plateia. Muitos anos se passaram para sabermos que Seu Orlando estava entre os integrantes da barca da Torre, gravada em 1938 pela Missão de Pesquisas Folclóricas, enviada por Mário de Andrade ao Nordeste e Norte. Em algum momento, entre 1938 e a década de 1970, o mestre da Barca da Torre, Seu Cícero, levou a brincadeira para Mandacaru.

Em junho de 1979, novos registros de Cavalo Marinho e da Barca de Seu Orlando (Fitas 146, 187 e 188). Como em outras apresentações públicas, os registros revelam muitas interferências, seja da aparelhagem de som, seja das vozes altas do público. Mesmo assim é possível ouvir as letras de vários cantos e o som dos instrumentos.

Durante a apresentação do Cavalo Marinho, na Lagoa, em João Pessoa (fita 186, lado B), o Mestre lamenta por não ter tempo para todas as partes  (diz que são 22 partes) e anuncia a parte do Boi Surubim. Apesar da aparelhagem de som, dá para ouvir relativamente bem. Esta é uma queixa frequente dos mestres populares, por não terem tempo suficiente para apresentarem sequer uma amostragem significativa, um conjunto narrativo coerente, de suas brincadeiras, em eventos públicos. Na fita 187, lado A, continua a apresentação do Cavalo Marinho – parte do Boi – Boi Surubim. Muita interferência.

Na fita 187, lado A, há registros da Nau Catarineta Boa Esperança, do Mestre Orlando, de Mandacaru – banjo, pandeiro, bandolim, que tínhamos gravado na Festa da Penha, anunciada como Barca da Torre.

Outra dança dramática importante de João Pessoa, registrada em 10 de março de 1979 é a Tribo do Carnaval. A fita184, Lado A, contém registros sonoros de Tribos de João Pessoa, gravados na rua durante as apresentações do Carnaval, na Rua Duque de Caxias, imediações do Ponto Cem Réis. Os  alto-falantes reproduziam a sonoridade das gaitas e dos triângulos, envolvendo o ambiente, mas a transmissão deixava de fora os instrumentos de percussão, bumbos e ganzás. Desde aquela época, notamos que há muita fala do locutor, o que prejudica a audição dos grupos. Crianças em torno do gravador causaram algumas interferências. Após a apresentação diante do palanque, quando um dos grupos já se retirava, fomos acompanhando com o gravador ligado. A partir dos 14 minutos melhora a gravação; é direta, sem interferência aparelhagem de som. Há vozes, porque é som de rua. O toque da gaita, com tambores, triângulo e ganzá é agora plenamente audível. Explicações de participantes, entre elas, o toque da dança da morte, também chamado a macumba. Esta denominação é corrente ainda hoje.

Para amostragem reproduzimos trechos do ensaio da Chegança Minas Gerais do Mestre Antônio, por se tratar de uma das danças dramáticas com tema náutico como a Nau Catarineta, ou Barca de João Pessoa.

Quanto à qualidade técnica, a gravação é direta, em um lugar que não dispunha de microfones e caixas de som. Ouve-se perfeitamente os cantos e falas. Muitas meninas e adolescentes. Um único instrumento: pandeiro. O personagem cômico da Chegança é o padre, que parodia o tom de sermão em missas (fita 150, lado A).

Os registros do Guerreiro de Mestre Jorge de Bebedouro foram feitos em apresentação pública e prejudicados por outros sons reproduzidos na praça em alto volume. Aos 24 minutos, do lado B, fita 150, começa o som de Guerreiro, trupé, canto, som de espadas Voz de. Mestre Jorge do Bebedouro. Vai até os 7 minutos do lado B da fita 151.

Os registros feitos em João Pessoa, PB, entre novembro de 1978 e junho de 1979 apresentam muitas interferências, por isso foram selecionadas as partes com menos problemas.

Relação de danças dramáticas selecionadas:

  1. Chegança Minas Gerais, grupo de Mestre Antônio, ensaio, Maceió, AL (fita 149 e 150)
  2. Guerreiro de Mestre Jorge de Bebedouro, Maceió, AL (fita 150 e 151)
  3. Barca da Torre ou Nau Catarineta Boa Esperança, de Mandacaru, de Mestre Orlando. João Pessoa, PB (fitas 146, 187 e 188)
  4. Cavalo Marinho de Mestre João Raimundo e outro também de Bayeux (fitas 146 e 155)
  5. Tribos do carnaval (fita 184)

Catálogo da Coleção

Amostras da coletânea:

Conhecemos a dança de São Gonçalo, acompanhando os “folgazões” de Mogi das Cruzes: Seu José Tavares, Gonçalinho, Luiz Honorato, os irmãos Dito Fiúza (Benedito Cardoso) e Luiz Fiúza (Luiz Cardoso), estes últimos participantes do batalhão de Moçambique de Seu Conrado. As danças eram feitas em pagamento de promessas e ocorriam aos fins de semana durante o ano todo. A dança é complexa, tem várias partes, os chamados mistérios, cada qual com um conjunto de versos. A coreografia da dança varia em cada mistério, com voltas, sapateados e bate-palmas. A última parte é chamada de Caruru, Cururu de São Gonçalo ou Volta Grande, em que se formam duas rodas, que ao se juntarem formam a “volta grande”,momento em que a imagem do santo era retirada do altar e os festeiros, que pagavam a promessa dançavam segurando-a.

São muitos registros feitos na região de Mogi das Cruzes entre 1974 e 1978.

Entre 1978 e 1979 tivemos a oportunidade de conhecer a dança de São Gonçalo na casa de Mariquinha na Vila Carolina, São Paulo, SP. Mariquinha é filha de Dona Guilhermina do Batuque e Samba lenço e anualmente cumpria sua promessa.

Como são muitos os registros, para a amostragem, fizemos uma coletânea, reunindo trechos da dança desenvolvida por diferentes mestres e folgazões, mantendo várias das rezas cantadas. Alternam-se gravações de Mogi das Cruzes e de São Paulo para se ter ideia da diferença de ritmos e das rezas cantadas. Também foram incluídos fragmentos de explicações, exemplos de mistérios, rezas, dança com sapateado e bate-palmas. É forte a presença das violas tocadas pelos mestres e contramestres, tocadas em louvor ao santo violeiro. São quatro vozes: a do mestre, do contramestre, do tipe e contralto.


Amostra de registros da Dança de São Gonçalo

Amostra de aquivos brutos:

Amostras da coletânea:

O batuque, também conhecido como tambu ou samba de umbigada, e o samba lenço, aqui apresentados, são formas de expressão afro-brasileiras. Na época em que foram feitos os registros (1976-1983), eles ocorriam em poucas comunidades negras de cidades do estado de São Paulo: região de Piracicaba, Sorocaba e Lençóis Paulista, em cidades próximas da capital (Mauá, Barueri) e em bairros paulistanos no entorno da Freguesia do Ó (Vila das Palmeiras, Vila Carolina) e do Bairro da Casa Verde (veja a galeria de fotos). Convivemos mais com os batuqueir(os)as e sambador(es)as que mantinham contato com as quatro irmãs, Guilhermina, Aparecida, Albina e Chiquinha (ver fotos abaixo), verdadeiras matriarcas negras, detentoras de saberes e fazeres do catolicismo popular, batuque e samba lenço, residentes na Vila das Palmeiras e bairros próximos à Freguesia do Ó, São Paulo, capital. Com elas viajamos para Mauá, para Olímpia e conhecemos Seu João, Dona Nenê, Isaura, Dona Sebastiana, José Mauro, tocador do bumbo 7 léguas, que morreu muito jovem, mas tornou-se, desde cedo, uma referência do samba lenço de Mauá.

Dona Guilhermina, a mais idosa das quatro fazia anualmente uma festa em sua casa no dia treze de maio. Era uma Festa de São Benedito com procissão pelas ruas vizinhas, terço cantado e samba (batuque e samba lenço). Antes, segundo ela, fazia-se uma espécie de teatro de rua em que se encenava a libertação dos escravos. Quando a conhecemos, a festa consistia na procissão, terço cantado e, eventualmente o samba (batuque e samba lenço).

Os registros aqui apresentados mantêm a estrutura das festas em que ocorreram, isto é, antes da dança coletiva, o acompanhamento de procissões, terço com rezas cantadas, vivas… para depois começar o samba. Nos intervalos, ora estão ensaiando novos sambas, ora cantando modas do batuque.

De costas Dona Guilhermina [clique para ampliar e fechas as imagens]

batuque cvF1000001

No centro Dona Albina e a direita Dona Aparecida

batuque cvF1000006


Catálogo da Coleção

 Amostras de registros retirados de:

1) Reza cantada e batuque festa  de seu Ageu, Barueri, SP, 21 maio de 1977 (fita 059)

2) Reza cantada e Batuque após Dança de Santa Cruz. Comunidade negra do Cafundó. Sorocaba, 13 maio de 1978 (fita 063)

3) Reza cantada e samba lenço. Festa de São João na casa de Dona Sebastiana. Mauá, 24 jun. 1978 (fita 66 e 67)

Amostras:

“Samba-lenço-Faz muito tempo que esse bumbo não trabaia-FITA-066-A”

Porteira nova tem arenga no fechar
Porteira nova tem arenga no fechar
Tourinho novo quando berra quer mamar
Tourinho novo quando berra quer mamar

Faz muito tempo que esse bumbo não trabaia
Faz muito tempo que esse bumbo não trabaia
Bate co’o bumbo como as muié faz co’as saia
Bate co’o bumbo como as muié faz co’as saia


Galeria de imagens: